Tem celulite? Isto é para si!

01.09.2021

Alimentação, exercício físico, tratamentos, cremes, tudo isto consta nas revistas e blogues com vista à redução desse tenebroso problema que é a celulite. E por norma, tudo o que aparenta ter demasiadas soluções e alternativas para um problema significa que nenhuma delas é particularmente boa e eficaz. Com a celulite é isso que acontece.

Há que reconhecer que a celulite não constitui propriamente um problema de saúde. Do ponto de vista metabólico, as mulheres estão quase que predispostas a ter celulite, funcionando o sedentarismo e os maus hábitos alimentares como o gatilho. Neste sentido, as flutuações hormonais existentes nas mulheres propiciam o aparecimento da celulite, visto que os estrogénios possuem uma relação direta com a circulação sanguínea que quando diminuída deixa de aportar o oxigénio suficiente à produção de colagénio. Para além disso, as células gordas das zonas mais críticas (coxa e glúteo) das mulheres possuem um maior número de recetores alfa-adrenérgicos do que beta-adrenérgicos. Estes últimos estão mais presentes na gordura abdominal e visceral, o que faz com que o organismo mobilize gordura preferencialmente destas zonas quando dela precisa para obtenção de energia.

Ao contrário de outros problemas estéticos ou de saúde, a celulite não tem uma cura na verdadeira aceção da palavra. Os problemas de circulação que potenciam esta situação podem ser parcialmente resolvidos, quer com a prática de exercício físico, quer com um ajuste da indumentária. A este nível é curioso constatar que a indústria da moda que recrimina a celulite é a mesma que incute várias tendências de roupa demasiado apertada que prejudica a circulação.

No que concerne à alimentação, sendo a celulite parcialmente resultante de um processo inflamatório, todas as fontes alimentares de antioxidantes são de relevo, com a particularidade da maioria delas ser igualmente rica em vitamina C, fator indispensável na produção de colagénio. As bagas (morangos, mirtilos, amoras, framboesas), kiwi, laranja, agrião, pimento, brócolos, couve-galega, chá verde, ervas aromáticas e especiarias podem ser bons exemplos de alimentos a privilegiar. Também a redução de alimentos excessivamente açucarados e salgados acarreta um benefício, pois o efeito do sal na retenção de líquidos e da produção exacerbada de insulina decorrente do açúcar só pioram este cenário.

Para muitas mulheres o abuso de bolachas, snacks salgados e chocolates durante certos momentos do ciclo menstrual é quase um clássico, mas que deve ser evitado até aos limites do possível (não ter estes alimentos em casa é um começo).

Relativamente a cremes e tratamentos, existem algumas opções que podem de facto ajudar, mas nada como consultar um dermatologista antes de gastar dinheiro no que quer que seja.

Em suma, não existe o alimento ou o exercício físico ideal para eliminar a celulite, mas sim um estilo de vida que a previna. Por maior predisposição genética que exista para este problema, não há nada que uma alimentação adequada e o exercício físico não consigam atenuar.

 

Ângela Moreira | Nutricionista (CP 1500N)